Categorias
Mercado

Venda de carros elétricos e híbridos tem alta de 78% no Brasil

A chegada de novos modelos e a instalação de novos pontos de recarga fizeram as vendas de carros eletrificados (100% elétricos ou híbridos) crescerem muito acima do mercado no Brasil. Segundo reportagem do Motor1, o último relatório da ABVE – Associação Brasileira de Veículos Elétricos, aponta que os veículos eletrificados leves avançaram 78% no acumulado do primeiro quadrimestre de 2022, na comparação com o mesmo período do ano passado.

Segundo a publicação, na contramão do mercado automotivo geral, que teve queda de 23% nos quatro primeiros meses do ano, os eletrificados tiveram 3.123 emplacamentos de abril, somando 12.976 unidades vendidas no acumulado do ano, contra 7.290 no primeiro quadrimestre de 2021. Graças ao crescimento constante, a participação dos carros elétricos e híbridos nas vendas internas totais de veículos leves foi de 2,5% no quadrimestre e de 2,3% em abril (contra 1,8%, de janeiro a dezembro de 2021).

O C40 é o mais novo integrante da família de elétricos da Volvo e está disponível para pronta-entrega na JBS Motors

No entanto, quando consideramos somente os carros elétricos em relação ao mercado total, o market share ainda é muito baixo, de apenas 0,3%. Apenas como referência, essa participação varia de 6 a 15% nos principais mercados europeus e já se aproxima de 20% na China.

Nesse levantamento do Motor1, os veículos eletrificados leves incluem Automóveis + Comerciais Leves + SUVs + Utilitários (não inclui ônibus, caminhões e levíssimos) com propulsão HEV (híbrido elétrico) + PHEV (híbrido elétrico plug-in) + BEV (100% a bateria).

Atualmente, a frota circulante de veículos eletrificados no Brasil é de 90.000 unidades, devendo chegar a 100.000 entre julho e agosto, segundo as estimativas da ABVE com base no crescimento atual.

Emplacamentos:

Vendas de eletrificados (autos + comerciais leves; HEV + PHEV + BEV):

1º quadrimestre de 2022: 12.967
1º quadrimestre de 2021: 7.290

Variação: + 78%

  • 2021: 34.990
  • 2020: 19.745
  • 2019: 11.858

Vendas em abril:

  • 3.123 emplacamentos
  • + 15% sobre abril de 21 (2.708)
  • – 19% sobre março de 22 (3.851)

Fonte: Motor1.com

Categorias
Mercado

CAOA Chery prepara fábrica de Jacareí para eletrificação da gama

Uma das notícias mais comentadas no mundo automotivo nesta semana foi o fechamento repentino da fábrica da CAOA Chery em Jacareí, no interior de São Paulo. Segundo a montadora, a paralisação na produção será temporária (até 2025) e o objetivo é a adequação ao programa de eletrificação da marca. Com isso, o sedã Arrizo 6 passará a ser importado da China, enquanto o Tiggo 3X sairá de linha.

++ Confira o estoque de modelos da CAOA Chery na JBS Motors

Em comunicado feito nesta quinta-feira (5), a CAOA Chery afirmou que seguirá prestando atendimento integral aos clientes dos modelos fabricados na planta, mantendo total assistência técnica, garantias, peças e serviços em suas mais de 140 concessionárias localizadas em todas as regiões do país.

Plano de R$ 1,5 bilhão

A remodelação da fábrica de Jacareí faz parte de um plano de adequação e investimentos da CAOA Chery no Brasil de R$ 1,5 bilhão até 2025. A unidade fabril passará por mudanças para ajuste dos processos produtivos que permitirão a introdução de novos produtos concebidos a partir de plataformas de última geração, equipados com propulsores híbridos ou 100% elétricos.

Vale ressaltar que a CAOA Chery não vai esperar pelos dois anos de preparação da fábrica de Jacareí para iniciar a produção de carros híbridos no Brasil. Segundo a montadora, a planta de Anápolis (GO) já foi modernizada e está pronta para a dar o pontapé na eletrificação da marca, que quer ter, pelo menos, uma versão híbrida ou elétrica em toda a sua gama.

Primeiro híbrido
O Tiggo 8 Pro será o primeiro híbrido da CAOA Chery no Brasil. O SUV usará a tecnologia de recarga plug-in e com autonomia para rodar 90 km no modo 100% elétrico. Combinado com o motor 1.6 turbo, entregará mais de 200 cv de potência. A novidade terá ainda uma supertela de 24 polegadas para a central multimídia, além de mudanças no visual. A chegada do modelo que deve rodar no modo elétrico, sem usar combustível, por 100 quilômetros ou um pouco mais deve ocorrer ainda neste ano. A previsão é que na primeira semana de junho a empresa faça o anúncio.

Categorias
Mercado

Saiba quais foram os esportivos e SUVs premium mais vendidos no 1º trimestre

O primeiro trimestre de 2022 acabou com 374.533 automóveis (carros de passeio e comerciais leves) vendidos no Brasil. O saldo entre os modelos 0 km ainda é negativo em relação ao mesmo período do ano passado, mas se tem um setor que não enxerga crise é o premium, principalmente entre os SUVs e modelos esportivos.

Começando pelos utilitários premium – modelos com versões com valor próximo ou acima dos R$ 300 mil – quem está liderando é o Jeep Commander, com 4.932 unidades vendidas no acumulado do ano. Sucesso de vendas, o modelo de 7 lugares da Jeep é o 11º SUV mais vendido no país, algo que chama a atenção por se tratar de um veículo que custa quase R$ 300 mil em sua versão Overland 4×4.

+ Confira as unidades do Jeep Commander disponíveis no estoque da JBS Motors

Commander lidera o ranking dos SUVs premium mais vendidos do país

O Toyota SW4 vem na segunda posição com 3.106 unidades emplacadas no primeiro trimestre. Apesar de ter longa fila de espera e versões acima dos R$ 420 mil, o SUV grande japonês segue sendo um dos mais desejados do segmento.

+ Na JBS você encontra unidades da SW4 a pronta entrega. Confira aqui!

SW4 é o segundo SUV premium mais vendido no ano

O primeiro BMW do ranking é o SUV X1 que vendeu 673 unidades entre janeiro e março deste ano. Ele é seguido de perto pela Pajero Sport, da Mitsubishi, que acumulou 651 emplacamentos no mesmo período.

+ Interessado no BMW X1 sem espera? Clica aqui! E se quiser ver nosso estoque de Pajero, Clica aqui!

Dando sequência ao ranking dos SUVs premium mais vendidos no primeiro trimestre, agora é a vez do Mercedes GLB, com sete lugares e muito requinte. O modelo familiar da marca alemã vendeu 578 unidades e também está disponível em nosso estoque (clique aqui)

O ranking segue com Chevrolet Trailblazer com 540 emplacamentos, Volvo XC60 com 502 unidades vendidas, Volvo XC40 (438), Audi Q5 (401), Land Rover Discovery (357), Porsche Macan (278), BMW X5 (249), Land Rover Range Rover (232) e Range Rover Evoque (217).

Vale ressaltar que a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) limita o ranking dos SUVs nos 40 primeiros colocados.

ESPORTIVOS

Para quem gosta de acelerar, os esportivos são a medida certa e eles seguem com bons números de venda nesse restrito e exclusivo mercado. Quem lidera o ranking do primeiro trimestre é o Ford Mustang com 87 unidades vendidas (veja aqui), seguido de perto do Porsche 911 com 80 emplacamentos.

Clássico Mustang Shelby no estoque da JBS Motors

A Porsche, por sinal, domina o segmento com uma bela sequência: o elétrico Taycan vendeu 69 unidades, seguido do Boxster (45) e Cayman (22). Colado neles vem o BMW M3 (21), GM Corvette (18), Jaguar F-Type (18) e Mercedes-AMG GT (13 unidades).

Categorias
Mercado

Mais de 80% dos carros da Porsche serão elétricos até 2030

– Montadora alemã registrou novo recorde de receita e lucro em 2021

– Fluxo de caixa líquido cresceu 1,5 bilhão de euros e atingiu 3,7 bilhões

– Marca entregou 301.915 veículos a clientes em todo o mundo no ano passado

Ao apresentar o balanço do ano financeiro de 2021 nesta semana, a Porsche revelou seu plano ambicioso para 2030: mais de 80% dos seus carros vendidos terão quer ser 100% elétricos. Isso significa que, daqui a oito anos, ter um Porsche com motor a combustão será um direito de poucos cidadãos pelo mundo.

VEJA MAIS

+ Quer um Porsche sem fila? Veja os modelos disponíveis no show-room da JBS Motors

Vamos iniciar falando dos recordes financeiros da Porsche em 2021. A fabricante de carros esportivos com sede em Stuttgart atingiu um novo recorde em receita de vendas e lucro operacional. As vendas em 2021 foram de € 33,1 bilhões, € 4,4 bilhões a mais do que no ano anterior, representando um crescimento de 15% (vendas do ano anterior: € 28,7 bilhões). O lucro operacional foi de € 5,3 bilhões, superando o valor do ano anterior em € 1,1 bilhão (27% a mais). Dessa forma, a Porsche gerou um retorno operacional sobre as vendas de 16% (ano anterior: 14,6 %).

O fluxo de caixa líquido cresceu € 1,5 bilhão e atingiu € 3,7 bilhões em 2021 (ano anterior: € 2,2 bilhões). A Porsche entregou no ano passado 301.915 veículos a clientes em todo o mundo. Isso significa que a marca de 300.000 foi ultrapassada pela primeira vez na história da empresa (ano anterior: 272.162 entregas).

Os modelos mais vendidos foram o Macan (88.362) e o Cayenne (83.071). Os números de entrega do Taycan mais que dobraram: 41.296 clientes receberam o primeiro Porsche totalmente elétrico, que ultrapassou o icônico carro esportivo 911, embora este último também tenha estabelecido um novo recorde com 38.464 unidades.

“O Taycan é um Porsche 100% e inspira todos os tipos de pessoas: clientes novos e antigos, especialistas e a mídia comercial. Estamos intensificando nossa ofensiva elétrica com outro modelo: Em meados desta década, queremos oferecer nosso carro esportivo 718 de motor central exclusivamente num formato totalmente elétrico”, afirma Olive Blumer, presidente do Conselho Executivo da Porsche AG.

Vendas do Taycan dobraram em 2021 e modelo elétrico passou o 911

Eletrificação sem volta
No ano passado, quase 40% de todos os novos veículos Porsche entregues na Europa já eram pelo menos parcialmente elétricos – ou seja, modelos híbridos plug-in ou totalmente elétricos. Além disso, a Porsche anunciou sua intenção de atingir sua neutralidade em carbono até 2030. “Em 2025, espera-se que metade de todas as novas vendas da Porsche sejam de veículos elétricos – ou seja, totalmente elétricos ou híbridos plug-in”, anunciou Oliver Blume. “Em 2030, a participação de todos os veículos novos com propulsão totalmente elétrica deve ser superior a 80%”.

Para atingir esses objetivos ambiciosos, a Porsche está investindo em estações de carregamento premium junto com parceiros – e também em sua própria infraestrutura de carregamento. Outros investimentos extensivos estão fluindo em tecnologias essenciais, como sistemas de bateria e produção de módulos. No recém-fundado Cellforce Group, estão sendo desenvolvidas e produzidas células de bateria de alto desempenho que devem estar prontas para produção em série até 2024.

Maiores mercados
Em 2021, a Porsche aumentou suas entregas em todas as regiões de vendas globais. Mais uma vez, o mercado individual de maior volume foi a China. Com quase 96.000 entregas, um aumento de 8% foi registrado em relação a 2020. A Porsche cresceu rapidamente na América do Norte: Nos Estados Unidos, o número de entregas aumentou em impressionantes 22% chegando a mais de 70.000 unidades. Um desenvolvimento muito positivo também foi observado na Europa: Somente na Alemanha, a Porsche aumentou suas entregas de veículos novos em 9%, atingindo quase 29.000 unidades.

Categorias
Mercado

Ranking dos carros mais vendidos tem novidades em fevereiro

O mês de fevereiro fechou com uma leve alta nas vendas de carros novos (3,08%) no Brasil, o que dá um certo alívio ao setor após um janeiro de forte queda. O segundo mês do ano também trouxe novidades no ranking dos mais vendidos, como a ultrapassagem do Tiggo 7 ao Taos, entre os SUVs médios, e a liderança do T-Cross entre os utilitários compactos.

A Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) faz a divisão dos veículos entre Automóveis e Comerciais Leves. Na primeira estão todos os carros de passeio de carroceria fechada, enquanto na segunda estão as picapes, vãs e furgões.

Entre os automóveis, a luta da liderança voltou a ser entre Onix (1º) e HB20 (2º), duelo de longa data que tinha sido interrompido com a paralisação das vendas do carro da Chevrolet durante o ano passado. Foram 6.541 unidades vendidas do Onix contra 6.161 do Hyundai.

A primeira surpresa do ranking de fevereiro está na terceira posição do T-Crorss, que emplacou 5.118 unidades no mês passado. Dessa forma, o modelo da Volks tornou-se o SUV compacto mais vendido do país no período, título que pertencia ao Renegade.

O SUV da Jeep, aliás, com 2.229 emplacamentos despencou para a 16ª posição geral entre os automóveis em fevereiro. Muito se explica pela mudança de geração, o que fez praticamente zerar o estoque do jipinho em todo o país.

Mudança de geração atrapalhou as vendas do Renegade em fevereiro

Entre os SUVs médios ninguém incomoda o Compass. Com 4.503 unidades vendidas no mês passado, o Jeep foi o 4º automóvel mais vendido do país, deixando o Corolla Cross, seu principal rival, para trás com apenas 3.732 emplacamentos no mês.

Ainda entre os médios de cinco assentos, uma surpresa foi a terceira posição tomada pelo Tiggo 7, que emplacou 730 unidades, ultrapassando o VW Taos, que registrou apenas 667 emplacamentos no mês.

Domínio das picapes

Quanto incluímos os Comerciais Leves nesse ranking de vendas, ninguém supera ou sequer chega perto da Strada. A picape compacta da Fiat vem acumulando lideranças nos últimos meses e vendeu 7.314 unidades. A segunda posição da categoria é da Toro, com 3.178 emplacamentos no mês passado.

Entre as picapes médias e grandes a Hilux segue dominando 2.558 emplacamentos no mês passado, seguida da Chevrolet S10 com 2.225 vendas no período. L200 com 783 unidades, Ford Ranger (769) e Nissan Frontier (565) fecham o ranking.

Hilux segue na liderança entre as picapes médias

Premium e esportivos

Quando olhamos para o ranking dos carros esportivos, o Ford Mustang segue na liderança do acumulado do ano com 25,27% de participação na categoria. Mesmo tendo praticamente empatado nas vendas com Porsche Taycan e Porsche 911, o Muscle Car da Ford segue acelerado com 69 unidades vendidas nos dois primeiros meses de 2022.

Mustang Mach1 0km no show-room da JBS

Entre os sedãs premium ninguém supera o BMW 320i. O modelo alemão vendeu 447 unidades em fevereiro, bem distante dos 163 emplacamentos registrados pelo Mercedes Classe C, segundo colocado. No acumulado do ano, o BMW soma 706 vendas, contra 301 do rival compatriota.

Sedã da BMW é o líder absoluto entre os modelos premium

Onde comprar?

Agora que você sabe quais os modelos mais vendidos no país, dá uma passada no show-room virtual da JBS Motors e escolha o seu. Aqui não tem fila de espera, mas tem modelos com garantia de fábrica e procedência.

Categorias
Mercado

Você sabe onde se vende mais carro elétrico no mundo?

Uma análise da Agência Internacional de Energia (IEA) comprova o que a gente vê nas ruas: o mercado global dos carros eletrificados (100% elétricos ou híbrido plug-in) está crescendo de forma acelerada em grande parte dos países. As informações são do Motor1.

Os números comprovam isso. Foram vendidos em 2019 2,2 milhões de carros eletrificados, com 2,5% de participação do mercado. No ano seguinte as vendas subiram para 3 milhões e 4,1% de participação, mesmo com o encolhimento do mercado geral devido à pandemia da Covid-19. Já em 2021 os números dobraram, passando para 6,6 milhões e impressionantes 9% do mercado global. A participação mais que triplicou nos últimos dois anos.

Para se ter uma ideia do crescimento, nos dias atuais, o que se vende de carros eletrificados em uma semana, cerca de 130 mil unidades, é o equivalente ao número total de vendas em 2012.

A IEA estima que haja 16 milhões de carros elétricos e híbridos plug-in em circulação no mundo todo, consumindo cerca de 30 terawatt-hora (TWh) de eletricidade por ano, o equivalente a toda a eletricidade gerada na Irlanda, por exemplo.

Onde eles estão?

O maior mercado automotivo do mundo, a China, lidera também a venda de carros eletrificados. Somente no ano passado, 3,4 milhões de modelos dessa categoria foram comercializados no gigante asiático. Na Europa, as vendas de carros eletrificados aumentaram quase 70% em 2021, para 2,3 milhões, cerca de metade sendo híbridos plug-in. No geral, os carros eletrificados representaram 17% do total das vendas europeias em 2021.

Em relação à participação de elétricos no mercado ninguém supera a Noruega. Por lá, os carros ligados na tomada representaram 72% de todas as vendas em 2021. Na sequência vem Suécia (45%), Países Baixos (30%), Alemanha (25%), Reino Unido (15%), França (15%), Itália (8,8%) e Espanha (6,5%)

Outro mercado que está acelerando na venda de elétricos é o norte-americano. Cerca de 500 mil carros eletrificados foram vendidos em 2021 nos Estados Unidos, uma participação de 4,5% nesse grande mercado automotivo.

Realidades diferentes

A análise da agência observa que há uma grande disparidade na distribuição dos carros eletrificados no mundo. China, Europa e Estados Unidos representam cerca de dois terços do mercado global de automóveis, mas cerca de 90% das vendas de carros elétricos.

Na maioria dos mercados restantes, os carros elétricos e híbridos plug-in representam menos de 2% das vendas e nas grandes economias em desenvolvimento, como Brasil, Índia e Indonésia, a participação ainda está abaixo de 1%. No Japão, as vendas de carros elétricos também seguem fracas, abaixo de 1% do mercado nos últimos 3 anos.

Vale lembrar que no Brasil os eletrificados já somam cerca de 2,2% do mercado, mas a maioria é formada por híbridos convencionais que regeneram energia, como os modelos da Toyota e da Lexus. A Agência Internacional de Energia considera eletrificados os modelos 100% elétricos e os híbridos plug-in, que são recarregados na tomada.

Seja qual for o tipo de carro eletrificado que você procura, no show-room da JBS Motors você irá encontrar. Tem modelos 100% elétricos, como o Audi E-Tron, híbridos plug-in, como o Volvo S60 e híbridos regenerativos, como o Corolla Cross.

Categorias
Mercado

Carro de oito lugares é a solução com requinte para grandes famílias

O mercado de carro de sete lugares foi um dos que mais cresceu e ganhou novos modelos nos últimos anos no Brasil. A ideia é levar a família sem aperto e ainda ter lugar para bagagem. Mas para quem tem a necessidade de ainda mais espaço, nem sempre os SUVs de sete assentos atendem à demanda e é preciso recorrer aos gigantes de oito lugares. Eles são raros, mas, em compensação entregam mais luxo e conforto para todos a bordo. No Brasil, o único representante dessa categoria é o Kia Carnival, que voltou recentemente ao mercado nacional com uma nova geração cheia de estilo e tecnologia.

No visual, o novo Carnival inaugura o Brasil a nova identidade de design global da Kia. A dianteira tem uma grade imponente com “dentes” cromados. A assinatura em LED tanto na dianteira como na traseira dá um ar futurista à minivan que tem estilo de SUV. As rodas são diamantadas e de 19 polegadas.

No interior, notamos logo que a Kia fez uso de materiais mais refinados no acabamento, com a ergonomia otimizada e ainda mais tecnologia embarcada. No painel, chama atenção o quadro de instrumentos digital de 12,3 polegadas interligado à central multimídia com tela de igual medida. “Esse display de tela dupla cria uma experiência de usuário panorâmica e widescreen”, disse a marca no comunicado de lançamento no Brasil.

Ainda na cabine, a alavanca de câmbio tradicional foi substituída por um botão giratório com tecnologia turn-by-wire, no qual os controles eletrônicos fazem todo o trabalho e não há necessidade de ligação mecânica entre a alavanca e a transmissão.

Espaço de sobra

O Kia Carnival acomoda até 8 pessoas, distribuídas em três fileiras de bancos. O acesso é facilitado pelas portas traseiras deslizantes com acionamento elétrico. A abertura das portas podem ser feitas também pelo controle remoto na chave. É possível inverter os bancos da segunda fileira e transformar a parte de trás da cabine em uma verdadeira sala de estar.

O espaço interno sem aperto é garantido pelos 3,09 metros de entre-eixos. No comprimento são 5,15 m e na altura 1,99 m. Com apenas a primeira fila de assentos em uso, a Carnival oferece espaço no porta-malas para até 2.905 litros. Já com as três fileiras em uso, ficam disponíveis 627 litros disponíveis para acomodação de bagagens.

O novo Carnival é puxado pelo motor 3.5 V6 aspirado de 272 cv e 33,85 kgfm de torque, tudo isso distribuído pelo câmbio automático de 8 marchas. Dados da Kia indicam capacidade para rebocar até 1.587 kg, o suficiente para puxar carretinhas de jet-ski ou um pequeno trailer, por exemplo.

Segurança e tecnologia

Ainda segundo a Kia, o sistema de suspensão passou por um profundo aperfeiçoamento, entregando agora resultados ainda melhores me termos de conforto e estabilidade.

No quesito segurança, o pacote inclui 7 airbags, assistente para prevenção de colisão frontal com frenagem de emergência e detecção de veículos, pedestres, ciclistas e cruzamentos; assistente ativo para prevenção de colisão por ponto cego incluindo saídas paralelas; monitor de ponto cego com visualização no painel digital de instrumentos; assistente de farol alto; piloto automático adaptativo; assistente de centralização na faixa de rodagem e câmeras de visão 360°.

Categorias
Mercado

Carros elétricos registram alta de 257% nas vendas no Brasil em 2021

A eletrificação dos carros no Brasil já é uma realidade. Uma prova disso é que as vendas dos veículos 100% elétricos tiveram um aumento de 257% no ano passado, em comparação com 2020. Segundo levantamento da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) foram 2.860 veículos elétricos vendidos durante todo o ano de 2021, um resultado quase quatro vezes maior que as 801 unidades emplacadas em 2020.

Essa é uma tendência que deve se manter neste ano, uma vez que novos modelos eletrificados estão chegando ao mercado nacional e as estações de recarga estão se espalhando nos grandes centros urbanos.

Outro segmento de carros eletrificados em alta no país é dos híbridos, tanto dos modelos plug-in como os de energia regenerativa. Foram 32.130 emplacamentos no fechamento de 2021, um aumento de 69% sobre o resultado do ano anterior.

Ao todo, foram vendidos 34.990 veículos eletrificados (híbridos + elétricos) no Brasil em 2021, aumento de 77% sobre as 19.745 unidades com esse tipo de propulsão comercializadas no ano anterior. Dessa forma, os eletrificados atingiram 1,8% de participação no mercado geral no ano passado, contra 1,0% em 2020.

Se ao saber dessa tendência de eletrificação dos carros no Brasil você sentiu vontade de colocar um 100% elétrico ou híbrido na garagem, confira o estoque da JBS Motors, onde você encontrará diversos modelos, de várias marcas, como Volvo, Lexus e Toyota.

Categorias
Mercado

Veja os 10 lançamentos de carros mais aguardados para 2022

O ano de 2022 promete ser um dos mais movimentados para o mercado automotivo. As montadoras estão retomando a produção normal nas fábricas e os lançamentos que foram adiados devido às consequências da pandemia ganharão as ruas neste ano. Vamos falar um pouco dos 10 carros mais aguardados para 2022, confira:

Novo Kwid

Agora em janeiro o Renault Kwid ganhará uma reestilização no Brasil, quatro anos depois de seu lançamento. O visual será o mesmo do Kwid já vendido em mercados como China e Índia. Na dianteira, o hatch conta com faróis bipartidos e luzes diurnas de led. Por dentro, o novo Kwid vai ganhar novos revestimentos dos bancos e novidades no acabamento. O modelo também deve ganhar um novo volante e um painel de instrumentos digital. Sob o capô, o Kwid deve receber o mesmo 1.0 SCe de 82 cv e 103 Nm que equipa o Sandero e Logan, que oferece comando de válvulas variável. É esperada num segundo momento a chegada já confirmada da versão elétrica do Kwid, que promete ser o mais barato da categoria.

Ford Maverick

O nome é antigo, mas agora Meverick é uma picape que vai ganhar as ruas brasileiras até fevereiro. A Ford Maverick já teve as primeiras unidades desembarcadas em solo brasileiro para eventos de pré-lançamento. A picape será lançada inicialmente na opção Lariat com o pacote off-road FX4. O kit de acessórios acrescenta rodas escurecidas, engate removível, ganchos de reboque aparentes na dianteira, pneus de uso misto e adesivos FX4 nas laterais da caçamba. A picape terá a mesma mecânica do Bronco Sport Wildtrack, com motor 2.0 EcoBoost de 240 cv de potência e 38 kgfm de torque e câmbio automático de 8 marchas, com sistema de tração integral AWD.

Honda City Hatch

O novo City já está sendo vendido na variante sedã e até fevereiro será a vez da versão hatchback ganhar as ruas brasileiras. Ele será o substituto do atual Honda Fit, que deixou de ser produzido no país. Por fora, o modelo conta o mesmo visual da versão sedã até as portas de trás. O novo Honda City hatch terá o mesmo motor 1.5 aspirado flex que estreou no novo City sedã. Ele oferece 126 cv de potência e 155 Nm de torque, e é sempre associado a um câmbio automático do tipo CVT que simula 7 marchas.

Novo Citroën C3

Principal aposta da Citroën neste ano novo, a nova geração do C3 ganhará ares de SUV compacto. Ele será produzido em Porto Real (RJ), e utiliza a plataforma modular CMP, a mesma do Peugeot 208. O novo C3 deverá estrear com o mesmo motor 1.6 EC5 flex de 118 cv do 208. As opções de câmbio serão manual de cinco marchas e automático de seis marchas. No futuro, o modelo poderá utilizar os motores de origem Fiat, com opções dos nacionais 1.0 Firefly aspirado, 1.3 Firefly aspirado e 1.0 GSE T200 (turboflex).

Nova Chevrolet Montana

A nova geração da picape compacta da Chevrolet está prevista para o segundo semestre de 2022. A picape só manterá o nome usado no passado, já que crescerá em tamanho e terá quatro portas para disputar mercado com a Fiat Toro. O esboço divulgado pela GM revelou que as linhas da dianteira e coluna do para-brisa terão traços que remetem ao novo Trailblazer, SUV médio de estrutura monobloco vendido na China nos EUA – totalmente diferente do modelo nacional. A mecânica deverá ser compartilhada com o novo Tracker, que traz opção de motor 1.2 turbo flex de 133/132 cv (E/G) e câmbio automático de seis marchas.

Novo Honda HR-V

A Honda será uma das marcas com mais novidades em 2022. Além do novo City, trará a nova geração do Civic, agora importado e híbrido, e o esperado HR-V. A nova geração do SUV que já foi o mais vendido do país será produzida em Itirapina (SP), junto aos novos City e City Hatch. O modelo nacional deverá seguir o estilo do SUV japonês, embora a marca tenha registrado duas opções de grades para a dianteira. Apesar do capô alongado e da traseira com ares de cupê, o Honda HR-V 2023 manteve o porte do antecessor, com 4.330 mm de comprimento (1 mm extra), 1.790 mm de largura (18 mm a mais), 1.580 mm de altura (70 mm mais baixo) e 2.610 mm de distância entre eixos (mesma medida da segunda geração). Na mecânica, o SUV deverá manter o motor 1.5 turbo de 173 cv da atual versão Touring, com atualização para injeção flex.

Volkswagen Polo e Virtus

A versão brasileira do novo Polo deve acompanhar as mudanças do Polo europeu, que tem visual inspirado na oitava geração do Golf. O mesmo ocorrerá com sua variante sedã, o Virtus. Por dentro, a dupla ganhará o novo volante da marca e painel digital em todas as versões. Sob o capô, eles devem perder o atual motor 1.6 MSI, passando a trazer no lugar o 1.0 TSI com a mesma calibração utilizada no Up, oferecendo 105 cv e 170 Nm. Em relação aos equipamentos de segurança, os novos Polo e Virtus devem ganhar airbags de cortina e controle de cruzeiro adaptativo (ACC) com frenagem autônoma emergencial.

Fiat Argo e Cronos CVT

Dando continuidade à renovação mecânica iniciada pela Strada, agora será a vez dos compactos Argo e Cronos receberem o conjunto com o motor 1.3 aspirado e o câmbio CVT. Os modelos não terão mais a opção do motor 1.8 aspirado de 139 cv e câmbio automático de 6 marchas. Assim como na picape Strada, o conjunto mecânico terá a mesma combinação que estreou no SUV Pulse. O motor é o já conhecido 1.3 Firefly de 107 cv e 134 Nm associado a um câmbio automático do tipo CVT, que simula 7 marchas. Além disso, também são esperados novos equipamentos de conectividade e a inclusão de novos itens de segurança de série, principalmente depois da nota zero no teste do Latin NCAP.

Novo Toyota Yaris

Quem também ganhará um tapa no visual será a dupla de compactos da Toyota. O Yaris hatch e sedã ganharão novidades sobretudo na dianteira, com um novo para-choque e novos faróis de led. Trata-se da mesma reestilização que estreou há 2 anos na Tailândia e no México. Por dentro, o modelo ganhará um novo painel de instrumentos. Sob o capô, o motor 1.3 flex deixa de ser oferecido, enquanto o atual 1.5 deve ganhar modificações para se tornar mais eficiente, tanto no hatch como no sedã. Também são esperados reforços estruturais na carroceria e a inclusão de novos equipamentos de segurança de série, como 7 airbags em todas as versões – que o Yaris atual oferece apenas na versão topo de linha.

BYD Han

Depois de lançar o SUV Tan e marcar sua entrada no Brasil, a gigante chinesa BYD programa para 2022 a chegada do sedã Han no mercado brasileiro. O visual é o grande destaque do novo modelo 100% elétrico, que foi projetado por uma equipe liderada pelo designer ex-Audi Wolfgang Egger. Por dentro, os destaques do BYD Han são o acabamento luxuoso e a central multimídia com tela de 12,8’’ giratória, podendo ser utilizada tanto em orientação vertical como horizontal. O sedã conta com duas configurações, sendo a mais potente delas composta por dois motores elétricos, que oferecem 494 cv e 680 Nm. O alcance varia entre 550 km e 605 km.

Categorias
Mercado

Audi retoma a produção no Brasil. Veja quais modelos serão fabricados no Paraná

A Audi do Brasil confirma a retomada da produção em sua fábrica de São José dos Pinhais, no Paraná, a partir de meados de 2022. Os modelos escolhidos para a linha de montagem brasileira são o Audi Q3 e o Audi Q3 Sportback, ambos com motor 2.0 turbo e a tração quattro.

De acordo com Johannes Roscheck, CEO e Presidente da Audi do Brasil, “estamos muito felizes em anunciar a retomada da produção na fábrica de São José dos Pinhais, a única da marca na América do Sul. Mesmo em um momento desafiador, a empresa sempre trabalhou para viabilizar a fabricação nacional por acreditar no potencial do País e na credibilidade que a marca ganha na visão dos nossos clientes”.

A produção do Audi Q3 com motor 2.0 em suas duas carrocerias será feita em uma linha de montagem exclusiva, a mesma que produziu a geração anterior do SUV até 2019. Os modelos chegarão no porto de Paranaguá divididos em conjuntos de peças e partes vindos da fábrica de Györ, na Hungria, para a montagem em solo brasileiro.

Estratégia de eletrificação

Além da confirmação da produção local, a Audi do Brasil, em conjunto com suas concessionárias, aproveitaram a ocasião para fazer um segundo anúncio, relacionado à estratégia de eletrificação da marca no País: em uma ação inédita, a empresa das quatro argolas e sua rede de distribuidores se uniram para ampliar a infraestrutura de recarga ultrarrápida brasileira.

A partir de 2022, serão investidos mais de R$ 20 milhões para instalar estações de recarga DC de 150kW em quase todas as concessionárias da marca no Brasil. Nestes carregadores, o 100% elétrico Audi e-tron, por exemplo, recarrega a bateria de 0% a 80% em menos de 25 minutos.

Histórico da produção local

A história de fabricação nacional da Audi no Brasil teve início em 1999 com a inauguração da unidade de São José dos Pinhais, no Paraná, onde foram produzidos os Audi A3 de primeira geração nacionais até 2006.

Novo Q3 Sportback será produzido no Brasil

Em 2012 o governo brasileiro instituiu o Inovar-Auto, Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica e Adensamento da Cadeia Produtiva de Veículos Automotores, e com ele a Audi do Brasil decidiu produzir no País novamente. Para concretizar a decisão, a empresa investiu cerca de 150 milhões de euros, valor próximo de R$ 500 milhões à época, na unidade paranaense.

A produção teve início em 2015 com o A3 Sedan – até hoje o único modelo com motor flex feito pela Audi em todo o mundo – e, em 2016, passou a produzir também o Q3. A fabricação do SUV seguiu até 2019, com o fim do ciclo de vida da geração anterior, enquanto o A3 Sedan foi fabricado até 2020, também com o fim do ciclo de vida da geração.

Após um hiato de pouco mais de um ano, entre fim de 2020 e meados de 2022, a Audi voltará a montar dois modelos na fábrica do Paraná: os novos Audi Q3 e Audi Q3 Sportback.

Audi Q3 e Audi Q3 Sportback brasileiros

Os Audi Q3 e Audi Q3 Sportback nacionais terão o já consagrado motor EA888 2.0 TFSI gasolina de quatro cilindros com injeção direta e turbocompressão, que entrega 340 Nm de torque e potência de 231 cv. Além disso, a produção marcará dois fatos inéditos: será a primeira vez que a Audi montará um modelo com a tração quattro no País e a primeira vez que equipará uma transmissão tiptronic de oito velocidades a um veículo com motor transversal, que proporciona rápidas e confortáveis trocas de marchas.

Desde seu lançamento em fevereiro de 2020 o Audi Q3 virou referência em seu segmento e se tornou o veículo mais vendido da Audi no Brasil já em seu primeiro ano. Ambos incorporam a nova linguagem de design da família Q, apresentada no Brasil com o Audi Q8, modelo completamente novo da marca. Na parte frontal um dos principais destaques é a grade Singleframe com desenho octogonal.

O interior complementa o projeto do exterior e segue a tendência dos modelos topo de linha da marca. Assim como nos A6, A7 e Q8, os novos Audi Q3 trazem como elemento central o novo conceito do MMI com display de 8,8” sensível ao toque integrado ao painel, que é inclinado em 10 graus em direção ao motorista, ergonomicamente bem localizados. O volante com shift paddles é item de série.

Outro destaque é a divisão de espaço altamente variável: os bancos traseiros são corrediços de série e podem ser movidos para frente em 150 milímetros na Q3 e 130 milímetros na Q3 Sportback. E o porta-malas merece um capítulo à parte: tanto o Q3 quanto o Q3 Sportback possuem 530 litros, o maior volume da categoria. Com os encostos totalmente rebatidos, o volume salta para 1.525 litros no Q3 e 1.400 litros no Q3 Sportback.

Novo Q3 nacional terá motor 2.0 TFSI de 231 cv

E você que curte os carros da marca alemã, qual modelos gostaria de ter na garagem? Veja aqui o estoque de carros da Audi no show-room digital da JBS Motors.