Categorias
História

BMW M4 é a síntese da esportividade alemã

Quando se fala de carro esportivo alemão, logo vem à mente dos entusiastas as marcas Porsche, BMW e Mercedes-AMG. Dentre as mais famosas, a linha M da BMW é uma referência das pistas que invadiu as ruas de todo o mundo. Essa história de sucesso e velocidade nasceu com o M3, em 1986, como um cupê puxado pelo motor 2.3 aspirado que entregava entre 195 cv e 238 cv na primeira geração (E30).

A evolução do esportivo se deu na geração E36 com um motor maior, ainda aspirado, um seis-cilindros em linha de 3 litros e 286 cv, depois chegou a 3,2 litros e teve versões de até 320 cv. Apenas em 2007, na geração E46 o M3 ganhou um motor V-8 de 4 litros e 420 cv, com versões que tinham 450 cv, sempre aspirados.

Em 2013, os modelos da BMW passaram por uma reorganização e a carroceria cupê da linha M passava para a Série 4, deixando ao M3 a variante sedã. Assim nascia o M4 nas versões duas portas com teto fixo ou cabriolet.

E com ele chegou a motorização atual, como motor de seis cilindros em linha que têm uma generosa ajuda de dois turbocompressores. O resultado foi um desempenho tão insano como o do V8, mas com uma eficiência bem superior e grande redução na emissão de poluentes.

Agora que você já conhece um pouco da história do BMW M4, você pode ver um de perto no show-room da JBS Motors. O modelo 2016 na carroceria Cabrio tem apenas 26 mil km rodados na cor mais desejada para o esportivo que é a Austin Yellow, e com detalhes em carbono.

* Com informações do site Auto Entusiastas

Categorias
História

Sabe o que são os Muscle Cars? Conheça um pouco dessas máquinas de acelerar

Poucas categorias de carro conquistaram tanto admiradores pelo mundo como os Muscle Cars. A explicação para tanto desejo é a fórmula imbatível de um supermotor sob o capô, um ronco viciante saindo do escape e o visual robusto, como o próprio nome já remete. Eles nasceram nos Estados Unidos e fizeram muito sucesso principalmente nos anos 1960/1970, mas até hoje inspiram sonhos de consumo de muita gente.

O termo muscle car vem do design forte, “musculoso” desses esportivos. Têm porte médio, grandes propulsores (geralmente V6 ou V8) e podem ter carroceria cupê ou conversível. A tração é preferencialmente traseira. Ou seja, uma combinação de esportividade e força que poucos segmentos conseguem reunir.

Mustang define

Nenhum outro modelo representa tanto a categoria dos muscle cars como o Ford Mustang. O icônico esportivo norte-americano simboliza bem o segmento, tanto que sua história se confunde com a da categoria.

No show-room da JBS Motors você encontra hoje duas versões que retratam o melhor da linha Mustang: um Shelby e um Mach1. Essas duas variantes estão na história da Ford. Nasceram nos anos 1960 e seguem como as mais cobiçadas até hoje.

O Shelby está disponível no show-room da JBS

O Mustang Shelby conversível ano 2010 tem apenas 9.000 km rodados com seu motor V8 de fortes 547 cv de potência. A esportividade é ressaltada pela transmissão manual e pelo ronco inconfundível que sai do escapamento.

Já o Mustang Mach1 que também está no show-room do Pina é 2021 e zero km. Uma raridade para pronta-entrega. Tem motor V8 de 483 cv e transmissão automática de 10 velocidades.

Mach1 no show-room da JBS Motors no Pina

E você, se fosse para escolher um muscle car, qual levaria para sua garagem? Shelby ou Mach1?

Categorias
História

Carro conversível é sinônimo de glamour e liberdade. Mas quando eles surgiram?

Charme, elegância e esportividade: os carros conversíveis conseguem reunir muitos aspectos subjetivos que vão além do design. Dirigir com os “cabelos ao vento” ou ter o céu estrelado como teto infinito do seu automóvel são sensações que só os “capotas abertas” podem passar. Mas você sabe quando surgiram os carros conversíveis?

Show-room da unidade 3 do Pina da JBS Motors só com carros conversíveis

Pouca gente sabe ou lembra, mas os automóveis nasceram conversíveis. Por isso, a história desse tipo de carroceria se confunde com a trajetória do automóvel no mundo. Essa origem tem inspiração em um tipo de carruagem francesa do século 19 chamada de Cabriolet – nomenclatura que ainda remete ao conversível nos dias de hoje, principalmente na Europa.

Em 1886, o alemão Karl Benz apresentava ao mundo o que é amplamente reconhecido como o primeiro automóvel que se movia através de motores a combustão interna, o Motorwagen. Ele possuía 3 rodas e era baseado nas carruagens sem teto.

Modelo de patente do Motorwagen, considerado o primeiro automóvel com motor a combustão

Os conversíveis dominaram o restrito mercado automotivo até 1910, quando a Cadillac apresentou o primeiro automóvel fechado, o que gerou uma reviravolta na indústria. A evolução foi rápida e os conversíveis só voltaram a chamar a atenção em 1934 quando a Peugeot lançou o chamado 402 Eclipse Décapotable, o primeiro carro conversível que possuía um teto rígido elétrico, porém, mesmo assim, os fechados assumiram o mercado.

Coube ao cenário norte-americano, entre os anos 1950 e 1960, resgatar o glamour dos conversíveis. Muito disso se deve à presença dos carros “sem teto” em filmes e séries de grande sucesso nos Estados Unidos. Desde então, o conversível carrega esse status de elegância e liberdade, que nenhuma outra carroceria consegue passar.

Show-room exclusivo

Para os que curtem a liberdade e elegância dos carros conversíveis, a JBS Motors preparou um show-room inteiro só com modelos de capotas abertas. O palco foi a nova loja do Pina (fotos abaixo) e nele temos exemplares que transmitem tudo o que um conversível pode passar, mas com ênfase na esportividade.

Um grande representante dessa turma é o icônico Mustang Shelby GT 500 ano 2010. O muscle car norte-americano vem de uma geração de esportivos que brilharam nas pistas e nas telas de cinema, mas tem as versões de capota aberta como as mais cobiçadas.

Outro conversível desse show-room especial que tem uma legião de admiradores é o Porsche 718, que nas carrocerias sem teto usa a assinatura Boxster, nome composto por “Boxer” e “Roadster”. O alemão transpira esportividade e tem muita agilidade, graças ao conceito do motor central, 2 bancos, 2 porta-malas, a “flyline” típica, motor boxer com centro de gravidade baixo e reação instantânea.

Veja no site da JBS Motors todos os carros de nosso show-room e encontre o modelo que se encaixa nos seus sonhos. Seja com teto ou de capota aberta.

* Foram fontes para este artigo:

Conversíveis modelos arrojados que fazem história

Qual foi o primeiro carro conversível?

https://pt.wikipedia.org/wiki/Wikip%C3%A9dia:P%C3%A1gina_principal

Categorias
História

Como transformar o sonho do carro antigo em realidade

O sonho de possuir um carro antigo em perfeitas condições faz parte da vida de muita gente. Mas não são todos que conseguem transformar esse desejo em uma coleção. Estamos falando, afinal, de automóveis raros e que exigem um grande investimento – não só financeiro, mas também de tempo e dedicação. Quem passou pelas lojas da JBS Motors da Avenida Caxangá e no Pina na primeira quinzena deste mês pôde ver de perto o resultado da realização de um sonho.

Foram expostos alguns modelos da RPC (Rodrigo Paraíba Collection). São carros da Volkswagen popularmente chamados de “quadrados” que compõem a exclusiva coleção de Rodrigo Duarte. “A paixão por carro está no sangue, uma vez que sempre estive envolvido pelo mundo automotivo, já que meu pai é o fundador da Oficina Paraíba. Sempre tive vontade de ter um carro antigo, até para servir de ‘mostruário’ da oficina, uma vez que em nossa região existe um grande preconceito com carro repintado, então o cliente não sai dizendo por aí que pintou seu carro. Então em 2016, finalizei o Passat Pointer após ser 100% restaurado na Oficina Paraíba, sendo esse nosso primeiro carro”, afirma o colecionador.

Rodrigo lembra que esse Passat acabou “caindo no colo” dele. “Comecei a restauração do Passat atendendo ao pedido de um grande amigo e cliente que estava começando esse hobby. No decorrer da restauração, esse amigo começou a tomar gosto pelos carros com motor V8 e, por isso, não via mais sentido em continuar com o Passat. Sabendo da minha vontade de entrar nesse mundo, ele me vendeu antes de finalizar o projeto”.

O Passat foi o pontapé, mas ainda não preenchia o sonho de Rodrigo, que mirava em um modelo específico entre os famosos quadrados da VW dos anos 1990. “Como meu sonho sempre foi um Gol GTI 1994 e na cor branco nácar (popularmente conhecido como branco pérola), continuei a procura. Foi nesse momento que alguns amigos me alertaram: ‘o carro antigo é uma doença’. Pois bem, hoje estamos com 12 carros na coleção, entre eles o tão sonhado GTI 1994 Branco Perolizado”, se orgulha Rodrigo.

GOL GTi 1994 branco perolizado da RPC

Perguntar a um colecionador de carros antigos sobre qual modelo da sua coleção ele venderia nunca é uma boa ideia. Rodrigo tem uma frase que ouviu de um amigo ao tentar responder essa pergunta que representa bem a devoção do colecionador por seus carros: “Se te perguntasse dos teus 20 dedos qual você deixaria que eu cortasse, você saberia responder?”.

Exposições

Você deve concordar que o que é bonito deve ser mostrado. Por isso, colecionadores de carros clássicos ou antigos sempre se orgulham de expor seus modelos em eventos e feiras especializadas desse ramo automotivo. Rodrigo também participa levando pelo menos um carro. Detalhe: ele gosta de chegar dirigindo a raridade. “Receber o Convite da JBS Motors para expor nossos carros no show-room de duas unidades do grupo foi motivo de muita satisfação, pois demonstra que a qualidade dos serviços da Oficina Paraíba estão em alto nível, o que nos deixa muito orgulhoso”, completa o orgulhoso colecionador.

Todos os carros da RPC foram restaurados e recebem os cuidados da Oficina Paraíba, referência na região na reparação automotiva. Portanto, se você quer se dedicar e começar uma coleção de carros antigos, já sabe que pode contar com um especialista que vai tratar o seu modelo como se fosse da coleção dele. “Paixão por carros e pinturas perfeitas é o meu combustível pra seguir em frente”, conclui Rodrigo.

A RPC conta hoje com os seguintes modelos:

PASSAT GTS POINTER
PARATI GLS
VOYAGE SPORT
SAVEIRO SUMMER
GOL GL
GOL GTS VERDE PINUS
GOL GTS PRETO UNIVERSAL
GOL GTI AZUL MONACO
GOL GTI BRANCO NÁCAR
GOL GTI VERMELHO DAYTONA
GOL GTI VERMELHO STYLLUS
GOL GTI AMARELO SUNNY

Categorias
História

Os carros da Jaguar Land Rover usados por James Bond nos filmes de 007

Há mais de 50 anos, James Bond vem cativando fãs ao redor do mundo com narrativas recheadas de adrenalina, paisagens incríveis, estilo impecável e supercarros icônicos que surpreendem com elegância e tecnologia. Muita gente associa o protagonista aos modelos da Aston Martin, que sempre foram os “carros oficiais”, de Bond nessa jornada. Outra marca britânica, entretanto, acompanhou o espião em muitas perseguições. Com o lançamento do mais novo “007: Sem Tempo Para Morrer” em 2021, a Jaguar Land Rover celebra 38 anos fazendo parte da história do agente secreto britânico mais admirado do mundo.

Dando continuidade à parceria de décadas, a montadora segue entregando veículos com performance à altura das cenas mais velozes e a robustez necessária para a realização de manobras especiais, que deixam o espectador de boca aberta, como visto no recente vídeo de backstage com o Defender e em outro com o Range Rover Sport SVR.

O 25º filme da franquia chegou aos cinemas brasileiros no dia 30 de setembro. Para refrescar a memória, relembre alguns dos modelos mais icônicos da Jaguar Land Rover que já passaram pelas telas de cinema ao lado do agente secreto e os que ainda passarão, dirigidos por Bond e seus parceiros ou pelos vilões mais temidos e astutos:

1) Land Rover Range Rover Convertible (“007 Contra Octopussy”)

Em “007 Contra Octopussy” (1983) foi dado início à parceria que já coleciona momentos de adrenalina, com o Land Rover Range Rover Convertible de primeira geração, off-road, que, para começar com chave de ouro, é conduzido por Bond e sua parceira, Bianca. Durante uma missão em um país fictício, é possível ver o modelo de três portas em uma base aérea sendo dirigido por Bond rebocando uma pequena aeronave do modelo Bede-Jet, revelando que, de fato, os veículos da Land Rover carregam desde o começo a missão de unir estilo e robustez.

2) Land Rover Series 3 (“Marcado para a Morte” e “007: Sem Tempo Para Morrer”)

Anteriormente considerado um carro clássico dos filmes de James Bond, o Land Rover Series 3 foi usado originalmente em “Marcado Para a Morte”, de 1987, protagonizando cenas de fuga de um assassino perseguido por James Bond com a paisagem do Rochedo de Gibraltar ao fundo, logo no começo do filme. O modelo também já está com presença confirmada no novo longa-metragem “007: Sem Tempo Para Morrer”.

3) Jaguar XKR (“007: Um Novo Dia Para Morrer”)

O Jaguar XKR teve grande destaque no filme “007: Um Novo Dia Para Morrer”, lançado em 2002. O veículo, o primeiro da Jaguar com motor de 8 cilindros, era propriedade do vilão norte-coreano Zao (Rick Yune) e impressionava pelo poder de aceleração. No filme, o veículo de cor verde era equipado com morteiros de longa distância e um painel de porta-mísseis, além de metralhadoras na grade dianteira que adicionavam adrenalina ao modelo. O carro foi peça fundamental na cena mais memorável do longa, na qual James Bond (Pierce Brosnan) é perseguido pelo vilão a bordo de seu Jaguar.

4) Jaguar XJ8 (“007: Cassino Royale”)

O Jaguar XJ8 foi desenhado para não ser muito chamativo, já que o vilão Mr. White (Jesper Christensen), proprietário do veículo no filme “007: Cassino Royale” (2006), era famoso pela discrição. Ainda assim, por baixo da carroceria preta sóbria, havia um motor V8 que alcançava 249 km/h e ia de 0 a 100 em 6,3 segundos. As cenas filmadas com esse modelo tornaram o carro famoso por ser surpreendente.

5) Jaguar X308 (“007: Quantum of Solace”)

Seguindo a fama de equipar os vilões, o modelo X308 era a escolha de Mr. Greene (Mathieu Amalric) em “007: Quantum of Solace” (2008) quando queria algo mais potente. O carro, discreto e muito elegante, tinha suspensão reforçada e interior customizado à mão, e era reconhecido por sua traseira inconfundível com detalhes prateados.

6) Range Rover Sport HSE (“007: Quantum of Solace”)

Em “007: Quantum of Solace” (2008), duas versões diferentes do Range Rover Sport podem ser vistas. No primeiro momento, um agente da MI6 é visto dirigindo o modelo no quartel-general, mas na Bolívia James Bond (Daniel Craig) é quem assume o volante para ir a uma festa do vilão Dominic Greene (Mathieu Amalric) e, posteriormente, enfrenta o terreno desafiador e o clima árido, ao cruzar o deserto ao lado de Camille (Olga Kurylenko).

7) Land Rover Defender 110 Double Cab (“007: Operação Skyfall”)

Dirigido na sequência de abertura do filme “007: Operação Skyfall” (2012) pela personagem Eve Moneypenny (Naomie Harris), outro Defender que marcou passagem pelo cinema foi o Defender 110 Double Cab Pick Up na cor Stornway Grey Metallic. Além de fazer parte da história do agente 007, o veículo usado no filme chegou a ser colocado em display na vitrine da famosa loja britânica de departamento de luxo, a Harrods, localizada na movimentada Brompton Road, em Londres.

8) Jaguar XJ (“007: Operação SkyFall”)


Já no filme “007: Operação SkyFall” (2012), o Jaguar utilizado é o modelo XJ ou X351. Nesse caso, o carro que aparece em diversas cenas nas ruas de Londres e chega a ser dirigido pelo próprio James Bond (Daniel Craig) é de propriedade da empresa da mandachuva Ms. M (Judi Dench). Com espaço interno extra e visual arrojado, o modelo de motor V8 e câmbio de seis velocidades chega a alcançar 250 km/h.

9) Land Rover Defender Big Foot (“007 Contra Spectre”)

No filme “007 Contra Spectre” (2015), outro veículo icônico fez sua estreia: o Defender “Big Foot”, apelidado dessa forma por ter sido projetado pela divisão de Veículos Especiais da Jaguar Land Rover (SVO, do inglês Special Vehicle Operations) com enormes pneus de 37 polegadas de diâmetro, além de suspensão customizada e carroceria reforçada. No filme, o modelo teve sua robustez colocada à prova no clima e nos terrenos instáveis das montanhas austríacas, enquanto protagonizava uma cena de perseguição envolvendo o sequestro da personagem Madeleine Swann (Léa Seydoux).

10) Jaguar CX75 (“007 Contra Spectre”)

Em “007 Contra Spectre”, a Jaguar ganhou destaque nas cenas de ação com o híbrido C-X75 e seus 850 cavalos de potência sendo colocados à prova nas ruas de Roma. O protótipo, que nunca chegou a ser produzido em série, foi criado para celebrar os 75 anos da marca e, no filme, é guiado pela capital italiana por um vilão: dessa vez, Mr. Hinx (Dave Bautista).

11) Range Rover SVR Clássico e Carbon Edition (“007 Contra Spectre” e “007: Sem Tempo Para Morrer”)

Desenvolvido pela equipe da divisão de Veículos Especiais da Land Rover, o Range Rover SVR já havia feito uma aparição no filme de 2015 “007 Contra Spectre”, no qual exibiu, nas cenas de perseguição, o equilíbrio entre performance e elegância. Em 2021, o modelo mais potente já criado pela montadora, com motor V8 5.0 Supercharged que produz 550 cavalos, retornará às telas de cinema no novo “007: Sem Tempo Para Morrer” na cor Eiger Grey e com detalhes em fibra de carbono que tornam seu design ainda mais exclusivo, equipado com rodas de liga leve Narvik Black de 22 polegadas, com capacidade de aceleração de 0-100 km/h em 4,5 segundos, velocidade máxima de 283km/h e suspensão especialmente ajustada pelos engenheiros da Land Rover Special Vehicle Operations. As imagens recentes dos bastidores do filme já deixam claro que podemos esperar manobrar especiais e acrobacias impressionantes feitas com esse modelo.

12) Novo Land Rover Defender e Defender V8 (“007: Sem Tempo Para Morrer”)

Em “007: Sem Tempo Para Morrer”, o Novo Land Rover Defender também será um dos grandes destaques e as imagens dos bastidores já prometem cenas eletrizantes. Para celebrar a parceria e o 25º filme da saga de James Bond, foi criado pela divisão de Veículos Especiais Land Rover SV Bespoke o modelo Defender V8 Bond Edition, com rodas pretas brilhantes de 22 polegadas e pinças de freio dianteiro na cor Xenon Blue. Recém-lançado, o modelo é movido por um motor 5.0 L a gasolina, capaz de gerar 525 PS, 625 Nm de torque com transmissão automática de oito velocidades e acelerar de 0 a 100 km/h em 5,2 segundos com uma velocidade máxima de 240 km/h. Com logo exclusivo “Defender 007” na traseira, iluminação exterior de solo com o emblema clássico do 007, soleira iluminada e animação exclusiva que aparece na tela touchscreen ao iniciar o Sistema de infroentretenimento Pivi Pro, a edição especial do veículo ganha ainda mais personalidade. Cada Defender V8 Bond Edition traz o logotipo da Land Rover SV Bespoke e uma gravura exclusiva “One of 300” feita a laser.

13) Jaguar XF (“007: Sem Tempo para Morrer”)

O Jaguar XF é outro carro que fará sua estreia no próximo filme “007: Sem Tempo Para Morrer”, no qual demonstrará sua excepcional dinâmica de direção em uma eletrizante perseguição filmada em Matera, no sul da Itália. O sistema de tração integral do XF com a Intelligent Driveline Dynamics proporciona níveis incríveis de tração nas superfícies de baixa aderência. A arquitetura leve e intensiva em alumínio do modelo e o design moderno da suspensão permitem um manuseio excepcional e uma agilidade notável, além de conforto e refinamento.

Categorias
História

Mustang Shelby GT 500 é um esportivo que não envelhece

Os amantes de carros clássicos sempre falam que os modelos assim chamados não envelhecem. O passar dos anos os valorizam ainda mais, tanto no preço como na paixão entre o homem e a máquina. E o Mustang Shelby é uma desses clássicos que só melhoram com o passar do tempo. É com muito orgulho que a JBS recebe em seu show-room premium na nova unidade do Pina uma versão conversível do esportivo Mutang Shelby GT 500 de 2010 e com apenas 9 mil km rodados, uma verdadeira joia sobre rodas (veja mais detalhes do carro aqui).

O Shelby nasceu como uma iniciativa da Ford em reinventar o clássico Mustang para competir com o Dodge Challenger e o Chevrolet Camaro. Os diretores da empresa pediram ajuda de Carroll Shelby, o ex-piloto texano. O trabalho conjunto resultou em um protótipo do carro espetacular que debutou nas pistas em janeiro de 1965. O Shelby GT 350 obteve o primeiro prêmio durante uma corrida em Green Valley, no Texas, um mês após sua estreia.

Modelos do Mustang Shelby no ano 1967 são os mais cobiçados por colecionadores e são vendidos por verdadeiras fortunas

Em novembro de 1966, a Ford lançou o Shelby GT500 que, com o passar dos anos, se transformaria em um dos carros mais clássicos da indústria automobilística norte-americana. Apesar do sucesso absoluto nos seus anos de largada, a venda dos Ford-Shelby começou a decair pouco tempo depois. A fabricação do modelo foi interrompida em fevereiro de 1970. Era o fim da parceria entre a Ford e Carroll Shelby.

A Ford voltou a usar o nome Mustang Shelby GT 500 em 2005 com duas versões (cupê e conversível de duas portas) do esportivo com motor V8 5.4 litros de 456 cv de potência e caixa manual de 5 marchas.

Em 2010, o musclecar passou a entregar 547 cavalos de potência a 6.200 rpm e 70 kgfm de torque máximo, disponíveis a 4.800 rpm com o V8 5.4 litros V8 sobrealimentado e com câmbio manual de seis marchas.

E foi em 2020 que nasceu o Mustang Shelby mais potente com 770 cv de potência e 86,4 kgfm, sendo o V8 supercharged com a maior densidade de potência e torque do mundo. A transmissão passou a ser automatizada de dupla embreagem e sete velocidades.

Categorias
História

Faça um tour virtual no incrível Museu da Porsche em Stuttgart

Os museus cuidam de tesouros e contribuem muito para a vida cultural e social. O Museu da Porsche não somente apresenta a mensagem histórica olhando para o passado, mas conduz os valores da marca de forma autêntica e vívida para o presente e o futuro. Para marcar o 44º Dia Internacional dos Museus, o Museu da Porsche publicou um convite para um tour virtual ao museu que teve início em 16 de maio de 2021. Seguindo o lema deste ano “Os museus inspiram o futuro”, todos os interessados podem fazer um tour virtual pela exposição especial “25 Anos do Boxster” em alemão e inglês. Dessa forma, a história do carro esportivo com motor central e sua importância para a marca serão levadas para as salas de estar em todo o mundo.

“Os novos tempos exigem uma nova forma de pensar. Já utilizamos a tecnologia digital e mostramos as origens e a experiência da Porsche na engenharia automotiva por meio de canais modernos há muito tempo”, afirma Achim Stejskal, Diretor do Patrimônio e Museu da Porsche. Ele e sua equipe se comprometeram com a “Missão Patrimônio do Futuro” nos próximos anos. Aqui, serão apresentados também as origens e o futuro da marca fora do museu.

A versatilidade digital é importante para levar proativamente o trabalho histórico realizado na Porscheplatz em Zuffenhausen para o mundo. O tour virtual pode ser acessado no site do museu em www.porsche.com/Museum desde o Dia Internacional dos Museus. Todos os modelos, antecessores e familiares do Boxster que podem ser vistos na exposição especial para marcar o 25º aniversário do roadster serão apresentados em vídeos de dois a três minutos. Os espectadores podem navegar pelo tour virtual e podem selecionar o carro que gostariam de ver em seguida, alternando entre dois veículos por vez.

O tour virtual traz a história de um quarto de século do Porsche Boxster para mais perto de todos os interessados. Há também muitas informações sobre carros com a tecnologia de motor central, que foi utilizada em 1948 no Porsche 356 “Nº. 1” Roadster – o primeiro carro a ser construído com o nome Porsche. Um dos destaques é o carro-conceito Boxster de Detroit, que serviu de base para a primeira geração de produção em 1996 e foi, portanto, o ponto de partida para o sucesso global do carro. Os espectadores recebem também informações sobre o lendário Spyder 550.

O antecessor do Boxster com seu peso leve de cerca de 550 kg foi o primeiro veículo projetado pela Porsche para o automobilismo e o primeiro carro com o conta-giros posicionado no meio – o início de uma tradição que se mantém até os dias atuais. O conceito de motor central é demonstrado nesse exemplo através de uma olhada sob a tampa traseira.

Além disso, em 16 de maio, o Museu da Porsche passou a exibir o 984, um protótipo pequeno e leve que marcou a trajetória do conceito de roadster da Porsche. Uma de suas características especiais é o motor instalado sob o painel do piso, o que é conhecido como motor subterrâneo. Outra exibição é o Porsche 914/4 de 1975, um dos carros de dois lugares mais produzidos, com quase 120.000 unidades construídas. O Museu da Porsche mostrará o novo desenvolvimento do motor boxer refrigerado a água usando um modelo transversal do Boxster S 986.

Outro convidado especial é o Boxster Bergspyder, um carro esportivo de um lugar baseado na terceira geração com a designação interna 981. Esse veículo ainda hoje leva o status de protótipo e evoca o Bergspyder 909 de 1968, com 384 kg, o carro de corrida mais leve já construído pela Porsche.

Para marcar o aniversário, a Porsche lançou, no início deste ano, a edição “Boxster 25 anos” como uma homenagem ao carro-conceito de 1993. Esse modelo é limitado a 1.250 unidades em todo o mundo e também pode ser visto no Dia Internacional dos Museus.

Categorias
História

Porsche 911: um ícone da esportividade há quase 60 anos

Quando se fala em carro esportivo a Porsche é uma das primeiras marcas que vem à cabeça das pessoas. E dentro da montadora alemã, o 911 é o ícone das pistas que invadiu as ruas do mundo e o imaginário dos aficionados por carros. O modelo é o esportivo de luxo mais cobiçado há 58 anos, passando por sete gerações até chegar a oitava e atual 992, sempre mantendo o mesmo DNA. Conheça um pouco da trajetória desta máquina de design atemporal.

1963

O 911 nasceu como 901 quando ainda era um carro-conceito apresentado no Salão de Frankfurt em 1963. No ano seguinte ganhava as ruas já com a nomenclatura atual (911 Carrera) e com o veloz (para época) motor refrigerado a ar com 130 cv que permitia ao modelo chegar a 210 km/h. Cerca de 7 anos depois, ainda na primeira geração, ganhou a versão Carrera RS com motor seis cilindros de 210 cv e com a famosa “cauda de pato” com um spoiler traseiro, algo que apenas o Porsche ostentava entre os carros de produção para as ruas.

1974

O primeiro grande mudança ocorreu com a chegada da Série G (930), que trouxe grandes inovações para o modelo na época, incluindo cintos de segurança de três pontos de série, encosto de cabeça integrado ao banco e a nervosa versão 911 Turbo.

1988

Foi nessa época que o 911 ganhou quatro tipos de carroceria e versões, como Cabriolet, Coupé, Targa e Turbo. A geração 964 do Carrera 4 foi uma remodulação quase que total da plataforma do 911, principalmente no interior. O conforto ganhava mais espaço com direção hidráulica, transmissão automática (Tiptronic), freios ABS e molas espirais na suspensão.

1993

A geração 993 do 911 foi a última a usar os motores refrigerados a ar e passou por uma modernização no design. A versão 911 turbo desta geração foi a primeira a ter motor biturbo em 1995, revolucionando o mercado de esportivos pela baixa emissão de poluentes para a época, o que rendeu vários prêmios para a Porsche no período.

1996

A chegada dos motores refrigerados a água fez com que a Porsche antecipasse a mudança de geração, lançando a 996, que foi um marco para a empresa de Stuttgart. Isso porque, o modelo foi o primeiro com motor boxer refrigerado a água com 4 válvulas por cilindro e fortes 300 cv de potência.

2004

A geração 997 foi a multiplicadora da linha 911. Ela teve nada menos que 24 edições diferentes, entre Carrera, Targa, Cabriolet, Turbo, GTS, tração traseira ou integral, edições de rua, séries especiais e os velozes para as pistas. Um dos modelos, o Carrera S, apresentou motor de 3,8 litros com incríveis 355cv. No chassi, a principal mudança foi a adição do gerenciamento de suspensão ativa como equipamento de série.

2011

A maior revolução tecnológica ocorreu na mudança para a geração 991. A construção híbrida de aço e alumínio diminuiu o peso do carro e, como inovação, trouxe uma caixa de câmbio manual de sete velocidades. Boa parte do ganho no desempenho também se deu à menor cilindrada do motor do Carrera. Suspensão nova com distância entre-eixos maior, rodas e pneus maiores, bitola mais larga e outras adaptações fazem dele um exemplo de conforto. A versão básica Carrera era equipada com motor 3.4 de 350 cv, enquanto o Turbo S, chegou a ser produzido com 560 cv, uma grande diferença de potência, considerando a mesma geração do modelo. O 911 Turbo e Turbo S receberam uma nova tecnologia com esterçamento das rodas traseiras e a versão Turbo S alcança os 0-100 km/h em apenas 3.1 segundos segundo a Porsche.

2019

A atual geração do Porsche é com mais tecnologia embarcada em suas seis versões: Carrera, Carrera Cabriolet, Carrera 4, Carrera 4 Cabriolet, Carrera S, Carrera S Cabriolet, Carrera 4S, Carrera 4S Cabriolet, Turbo S e Turbo S Cabriolet. Todos equipados com câmbio PDK de 8 velocidades.

Todos agora são equipados com motor twin-turbo e a cilindrada foi reduzida para 3.0 nas versões: Carrera, Carrera 4 e Carrera S. A versão Turbo S agora possui motor 3.7 de seis cilindros boxer, twin-turbo e gera impressionantes 650 cv a 6750 rpm, alcançando 100 km/h a partir da imobilidade em apenas 2.7 segundos e 330 km/h de velocidade máxima, um verdadeiro superesportivo.

Fontes para esta matéria:
– Página oficial da Porsche
– Manual do Homem Moderno
– Canal da Peça

Categorias
História

Dudu Trindade: um sonho acelerado com a JBS Motors

“Ser piloto de corrida”. Esse é o sonho de boa parte da garotada que curte carros. A grande maioria realiza esse desejo apenas em disputadas acirradas nos games. Trocar o mundo virtual pelas pistas exige, entretanto, mais do que “ter vontade”. É preciso determinação, talento e muito apoio. Foi assim que o pernambucano Eduardo Trindade Filho, o Dudu Trindade, conseguiu realizar seu sonho e hoje, com apenas 17 anos, corre em uma categoria de elite do automobilismo nacional ao lado de pilotos renomados. A JBS Motors patrocina o jovem desde suas primeiras voltas na categoria Sprint Race, na International Cup, em 2019. Ele era o mais novo na pista, com 16 anos, e já se destacou ao levar o título.

No difícil ano de 2020, quando tudo foi paralisado pela pandemia da Covid-19, Dudu Trindade estreou como profissional na GT Sprint Race. O calendário foi espremido nos últimos meses do ano e Dudu Trindade e seu parceiro de corrida Daniel Coutinho terminaram na quarta posição geral, chegando na última corrida com grandes chances de levar um troféu.

O Mustang número 17 que dupla Dudu e Daniel acelera leva a logomarca da JBS Motors estampada. O apoio da loja que tem como missão realizar os sonhos de seus clientes foi fundamental para o que jovem pernambucano trocasse os carrinhos de brinquedo pelas pistas de corrida. “O apoio da JBS foi e é fundamental. Ela sempre acreditou na carreira de Dudu, desde começo. Só com o ‘paitrocínio’ não seria possível. O automobilismo é um esporte muito caro e disputado e apoios, como da JBS, são muito importantes”, afirma o advogado Eduardo Trindade, pai do jovem piloto.

Pai e Filho estiveram recentemente na JBS Motors do Pina e lá cada um se apaixonou por um carro que estava no show-room de supermáquinas da loja. O jovem que gosta da adrenalina da velocidade não poderia ter escolhido um modelo diferente: um Mercedes-AMG GLC 63S Coupé, um SUV esportivo com 510 cv retirados de um motor V8 birtubo. Já Duda Trindade, pensando na família e no seu conforto também, gostaria de ter na garagem o incrível BMW X7, um dos modelos mais luxuosos que entraram na JBS Motors.

Lembrando que, apesar de mandar muito bem nas pistas, Dudu Trindade ainda não tem idade para ter habilitação para dirigir no trânsito, algo que ele espera ansioso e que será possível ainda neste ano.

Próximos passos

O ano de 2021 ainda é uma incógnita para o automobilismo mundial. As primeiras corridas da temporada da Sprint Race deveriam acontecer entre março e abril, mas o calendário ainda não está fechado. Enquanto isso, Dudu Trindade segue treinando todos os dias no simulador e também acelerando nas pistas dos autódromos de João Pessoa e Caruraru.

Questionado sobre o futuro, onde ele se vê daqui a cinco anos, Dudu Trindade demonstra um amadurecimento incomum para sua idade. Tem os pés nos chãos tanto quanto os tem no pedal do acelerador. “No automobilismo é muito difícil dizer exatamente onde se estará a longo prazo. Tudo depende das circunstâncias. O que sei é que o caminho é correr de Turismo. A projeção seria uma categoria de elite no Brasil, como a própria Sprint Race ou Stock Car, ou ainda em corridas da DTM na Europa”, conclui Dudu Trindade.

Categorias
História

JBS Veículos agora é JBS Motors. Entenda a mudança

Alcançar três décadas no mercado automotivo é um feito para poucos. A JBS chega a essa etapa em seu melhor momento e inaugura uma nova marca. A mudança vai além da renovação do logotipo ou slogan: trata-se do marco da nova era para o grupo que é referência na venda de carros novos e seminovos premium.

Para começar, JBS Veículos passa a se chamar JBS Motors. A alteração remete ao reposicionamento de mercado pelo qual a empresa está passando nos últimos anos. “O termo ‘veículos’ remete mais a varejo, o que não é negativo. Mas o ‘Motors’ coloca a empresa em uma categoria de montadora e loja premium, que é a atual realidade da JBS”, explica Rodrigo Vitor, diretor de Marketing da JBS Motors.

A nova logomarca já está na fachada da loja do Pina e carrega, no simbolismo, muito da história de 30 anos da JBS. Segundo Rodrigo, os três ‘S’ que formam a nova logo têm mais de uma tradução. “A gente buscou, nesses últimos dois anos de desenvolvimento da nova marca, dar um DNA, um valor afetivo à logomarca. Pensamos, junto à direção da empresa, como poderíamos unir a questão familiar, os valores do grupo, e o setor automotivo, mas sem cair no lugar-comum. Foi assim que surgiu a nova JBS Motors”, ressalta o diretor de Marketing.

Portanto, a primeira tradução da logo remete às iniciais de Solon Galvão, presidente e fundador da JBS, e de seus filhos – diretores da empresa – Saulo e Solon Filho. “A mesma leitura também simboliza os três pilares que acompanham a JBS em toda a sua trajetória: Segurança, reflexo da credibilidade e transparência; Solidez, que foi conquistada ao longo dos 30 anos e remete a atual estrutura; e Satisfação, que passa fundamentalmente pelo foco no cliente”, acrescenta Rodrigo.

Há ainda a tradução automotiva da logomarca. As letras “S” dentro do cúrculo também representam pistas sinuosas, que retratam o caminho da empresa. “Afinal, os carros sempre terão esse objetivo, que é levar pessoas de um lugar a outro. É uma jornada que a JBS iniciou há 30 anos e vai seguir com os mesmos valores”, completa o diretor.

Além da mudança de marca, a JBS Motors está perto de inaugurar a sua quarta unidade, localizada na Avenida Antônio de Goes, no Pina, Zona Sul do Recife. A nova loja representará um novo conceito para o mercado automotivo do Nordeste, com muita inovação e tecnologia. São muitas surpresas que a direção da empresa promete revelar ainda neste ano.